Viagem alternativa: vamos tentar defini-la

Por: contato@viajantenet.com setembro 11, 2019
Anúncios

A Viagem Alternativa Contemporânea surgiu como um conceito no início dos anos 70, em reação aos efeitos econômicos, ambientais e sociais negativos do turismo de massa, acusados ​​de insustentáveis, inautênticos e superficiais.

O termo é ambíguo, às vezes confuso, e muitas variações foram sugeridas, como Viagem Responsável ou Soft-Tourism. A saga de nomes também inclui Geoturismo, “turismo que sustenta ou aprimora o caráter geográfico distinto de um lugar …” (cunhado pela National Geographic) e Slow Travel, “uma maneira de retardar suas férias” (uma TM de marcas na Internet). Tudo perfeitamente legítimo e interessante, mas preferimos manter o original.

Para ajudar a esclarecer e ordenar algumas coisas, classificamos os seguintes tipos de viagens alternativas: Ecoturismo, viagens ativas e de aventura, viagens culturais ou educacionais, voluntariado e pós-turismo.

Dito isto, também algumas formas do chamado Turismo de Interesse Especial, se for um nicho e incomum, podem ser uma boa maneira de escapar do turismo de massa, o que implica uma “embalagem em larga escala de serviços de lazer padronizados” (Poon) que empurra pessoas a fazer as mesmas coisas, ao mesmo tempo, nos mesmos lugares.
Mas, além das definições e classificações acadêmicas, o que têm todas essas novas formas de viagem em comum? Uma busca pela originalidade, a recusa em obedecer aos turistas comuns (pioneiros e descobridores) e o relacionamento com o ambiente local (sendo verde). Em resumo: viaje de maneira diferente! Ou, como declarado em um workshop de Chiang Mai em 1984: “o turismo alternativo promove uma forma justa de viagem”.

Atualmente, preferimos o termo “viajante” para definir o turista alternativo. Isso nos leva de volta às viagens épicas dos exploradores auto-estilizados do século XIX.

Um viajante favorece o arranjo individual e decisões espontâneas em relação a pacotes turísticos padrão e programas fixos, geralmente viaja sozinho ou em pequenos grupos, faz mais viagens do que a média e é muito mais curioso, sensível e ativo em comparação com o turista confortável e passivo. Eles também estão dispostos a aceitar uma certa privação e a falta de dicas e hábitos familiares.

Além de aproveitar sua jornada, os viajantes alternativos se esforçam para minimizar os impactos negativos locais de sua presença, preservando a estabilidade e o bem-estar da comunidade e, geralmente, devolvendo a ajuda, se necessário. Interpretação e compreensão são fundamentais para se conectar com um lugar e seu povo, em vez de simplesmente passear e esperar ser entretido e alimentado o tempo todo.

Anúncios

Em termos práticos, isso significa, por exemplo: viajar em baixa temporada, escolhendo operadores locais e áreas de baixa densidade / comercialização moderada, preferindo transporte público ou sem combustível e acomodações tradicionais / em pequena escala.

Todas as coisas que apoiamos fortemente, é claro. Não somos filósofos, mas para esclarecer melhor em que princípios uma forma justa de viagem deve se basear, preparamos nosso próprio MANIFESTO. Então, você não tem desculpas para parar de ler.

Conteúdo relacionado: Sobre o que é o ecoturismo ?, viagens ativas e de aventura, viagens culturais e educacionais, voluntariado: viagens voluntárias ao exterior, pós-turismo: viajando sem problemas, turismo de interesse especial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *