Cidade secreta no México

Por: contato@viajantenet.com outubro 15, 2019
Anúncios

Escondidos meros metros sob a capital moderna, uma série de templos, palácios e artefatos misteriosos de um reino antigo estão sendo desenterrados.

Ao descermos 7 metros abaixo da Catedral Metropolitana da Cidade do México, pude sentir meu coração disparar. Eu tinha ouvido sussurros sobre os templos enterrados sob esta catedral icônica – uma das maiores e mais antigas da América Latina – mas desde a sua descoberta na década de 1970, não era possível vê-los. Agora, fiz parte de uma excursão pública que permite aos visitantes explorar os segredos antigos que estão logo abaixo das profundezas desta igreja.

Quase 500 anos depois que o conquistador espanhol Hernán Cortés derrubou a capital asteca de Tenochtitlán, os restos da antiga metrópole continuam escondidos a meros metros sob a moderna Cidade do México. Os espanhóis começaram a construir a Catedral Metropolitana em 1573 acima dos templos sagrados astecas (ou como se chamavam “Mexica”) como símbolo de sua conquista.

Quando os trabalhadores elétricos descobriram acidentalmente um monólito gigante perto da catedral em 1978, isso provocou uma escavação de cinco anos que desenterrou o espetacular Templo Mayor de Mexica (“Grande Templo”). A descoberta e os antigos registros espanhóis do layout da capital Mexica permitiram aos arqueólogos determinar que pode haver muito mais edifícios pré-hispânicos enterrados nas proximidades. Também inspirou uma série de escavações em andamento que continuam a descobrir novas pistas sobre o modo de vida do México. Hoje, muitos dos mais de 21 milhões de habitantes da Cidade do México passam a vida caminhando logo acima dos restos da cidade de Mexica, à espera de serem descobertos abaixo.

Prendi a respiração enquanto descíamos a escada em espiral, exalando apenas quando meus olhos viram o Templo de Tonatiuh, o deus do sol. Tonatiuh foi o governador piedoso no que o Mexica chamou de “a era do quinto sol” – um período ainda em desenvolvimento que está previsto para terminar em destruição pelo terremoto. Dada a história recente da cidade com terremotos, este era um pensamento desestabilizador para digerir enquanto estava no subsolo. Nas proximidades, fica a pedra Piedra Chalchihuitl totalmente intacta, com um glifo estilizado que se traduz como “o lugar do precioso ou do sagrado”.

Desde 1991, o Programa de Arqueologia Urbana (PAU), liderado pelo arqueólogo Raúl Barrera Rodríguez, trabalha sem parar para escavar uma área de 500 metros quadrados (cerca de sete quarteirões do centro da cidade do México), a fim de redescobrir Tenochtitlán. Hoje, sempre que trabalhadores reparam tubulações de água ou instalam cabos elétricos subterrâneos no centro da Cidade do México, por lei, o Instituto Nacional de Antropologia e História deve ser informado para que os arqueólogos possam supervisionar os procedimentos.

“A lei dá precedência à arqueologia”, disse o Dr. Eduardo Matos Moctezuma, o arqueólogo que dirigiu a escavação no El Templo Mayor, a partir de 1978. Embora isso torne as coisas complicadas para as equipes de trabalho, garante que todos os artefatos antigos sejam protegidos.

Anúncios

As descobertas no centro da cidade continuam a ser reveladas. A reforma de um edifício atrás da catedral em 2015 levou os arqueólogos da PAU a descobrir o gran tzompantli: uma estante de caveira com 35m de comprimento que antes tinha postes de madeira onde o Mexica exibia as caveiras de suas vítimas de sacrifício. Em dois anos de escavações concluídas em 2017, cerca de 700 crânios foram descobertos, além de uma base com vigias onde estacas de madeira cheias de crânios teriam sido exibidas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *